sábado, 18 de junho de 2011

TU – 144 (Tupolev – 144)





Moeda de 1 rublo da Rússia – Anverso: no centro águia bicéfala e a inscrição "Banco da Rússia", dentro de um círculo de pérolas. Na orla temos a denominação da moeda "um rublo" e o ano de emissão "2011". É possível notar o teor da prata (Ag 925) e o peso 7,78 g. Reverso: imagem em relevo do TU – 144 e seu traço no céu em azul. Na borda temos as inscrições "A História da Aviação Russa" e embaixo temos TU – 144 (em russo TY – 144)
Em recente matéria postada pela AFNB, intitulada “Moedas 2011 – Rússia – A História da Aviação Russa”, há uma ilustração de um avião que nos chamou a atenção pela semelhança com o Concorde. O que estaria fazendo o “Concorde” em uma moeda russa?
Na verdade trata-se do TU – 144.
O TU – 144 foi um avião de linha supersônico construído pela Tupolev (empresa russa de defesa e concepção aeronáutica). Seu primeiro protótipo voou em 31 de dezembro de 1968 em Zhukovsky, próximo de Moscou, dois meses antes do Concorde.
Ele ultrapassou a barreira do som (Mach 1) em 5 de junho de 1969 e atingiu Mach 2 (duas vezes a velocidade do som – 2150 km/h) em 26 de maio de 1970. Ele foi o primeiro avião comercial a atingir Mach 2 alguns meses antes do Concorde.
Pela existência de enormes semelhantes entre o TU – 144 e o Concorde, principalmente no que diz respeito à aerodinâmica, alguns consideram que ele foi fruto da espionagem soviética, mesmo que o TU – 144 seja maior e equipado com motores mais possantes. Foram fabricadas cerca de 24 unidades que foram colocadas em serviço pela Aeroflot em 26 de dezembro de 1975, entre Moscou e Alma-Ata (Cazaquistão), distantes cerca de 3520 km. A utilização destes aviões teve vida curta, não tiveram uma verdadeira carreira comercial, sendo os vôos desativados em 1978.
Em 3 de junho de 1973 na ocasião do 30° Salão de Bourget (Paris) um TU – 144 caiu e destruiu quinze casas e uma escola (que encontrava-se vazia no momento), matando os seis membros da tripulação e mais oito pessoas no solo. Algumas décadas depois o Concorde teria um destino semelhante e bem mais trágico.


O Tupolev – 144 em vôo pela Aeroflot e no Museu “Auto & Technik” de Sinsheim na Alemanha (120 km de Frankfurt); na terceira foto temos também o Concorde e na ultima o interior do avião. (clique para ampliar)