terça-feira, 20 de novembro de 2012

A HIPERINFLAÇÃO NA HUNGRIA

Hiperinflação – Hungria (1945-1946)



Fig. 1 - Cédula de 100 milhões de B-Pengö (P.136), equivalente a 100.000.000.000.000.000.000 de pengös (cem quintiliões de pengö - 1020) da Hungria, emitida em 1946.

A cédula de mais alta denominação já emitida é da Hungria, no valor de 100 milhões de B-Pengö (P.136), emitida em 3 de junho de 1946 no período de hiperinflação após a 2ª Guerra Mundial. Como o B-Pengo equivalia a 1 trilhão, o valor correspondente é de 100 quintiliões, ou seja, 100.000.000.000.000.000.000 (1020).
Estas cédulas não apresentam numeração. No reverso temos o prédio do Parlamento Húngaro em Budapeste.



Fig.2 - Cédula de 1 bilhão de B-Pengö, equivalente a 1.000.000.000.000.000.000.000 de pengö (um sextilião de pengö - 1021) da Hungria, impressa em 1946 e não emitida.

A cédula com mais alta denominação já impressa (não chegou a ser emitida) é também da Hungria, também com data de 3 de junho de 1946, correspondente a 1 trilhão de B-Pengo (P.137), ou seja, 1.000.000.000.000.000.000.000 (1021).
Estas cédulas também não apresentam numeração.
  
A inflação húngara em números (1945-46)

Emissão Pengö (1945-46)


15.05.1945
                        500 Pengö

15.07.1945
                     1.000 Pengö (103)
mil
15.07.1945
                   10.000 Pengö (104)
Dez mil
23.10.1945
                 100.000 Pengö (105)
Cem mil
23.10.1945
                 100.000 Pengö (105)
Cem mil
16.11.1945
              1.000.000 Pengö (106)
Um milhão
16.11.1945
            10.000.000 Pengö (107)
Dez milhões
18.03.1946
          100.000.000 Pengö (108)
Cem milhões
18.03.1946
       1.000.000.000 Pengö (109)
Um bilhão (6N = mil milhões)

Emissão Milpengö (1946)
Milpengö = um milhão (106)

29.04.1946
            10.000 Milpengö (1010)
Dez bilhões
29.04.1946
          100.000 Milpengö (1011)
Cem bilhões
24.05.1946
       1.000.000 Milpengö (1012)
Um trilhão (6N = bilhão)
24.05.1946
     10.000.000 Milpengö (1013)
Dez trilhões
03.06.1946
   100.000.000 Milpengö (1014)
Cem trilhões
03.06.1946
1.000.000.000 Milpengö (1015)
Um quatrilião (1) (6N = mil bilhões)

Emissão B-Pengö (1946)
B-Pengö = um trilhão (1012)

03.06.1946
            10.000 B.Pengö (1016)
Dez quatriliões
03.06.1946
          100.000 B.Pengö (1017)
Cem quatriliões
03.06.1946
       1.000.000 B.Pengö (1018)
Um quintilião (6N = trilhão) 
03.06.1946
     10.000.000 B.Pengö (1019)
Dez quintiliões
03.06.1946
   100.000.000 B.Pengö (1020)
Cem quintiliões
03.06.1946
1.000.000.000 B.Pengö (1021)
Um sextilião (6N = mil trilhões ) (2)


(1) A grafia quatrilhão é de uso informal. Esta regra é válida para os que se seguem.
(2) Não chegou a ser emitida.

Clique no número da cédula para ver a imagem do anverso. (sites: Numismundo e BanknotesGallery). As imagens dos reversos também podem ser visualizadas nestes sites.


Para compreender as tabelas:
Primeira coluna: P. (“P” de Albert Pick, criador do Catálogo World Paper Money) seguido do n° da cédula neste catálogo.
Segunda coluna: data de emissão da cédula.
Terceira coluna: valor da cédula
Quarta coluna: número por extenso que corresponde ao valor da cédula (Escala Curta - Brasil e Estados Unidos)
Regra dos 6N – Regra do Sistema Internacional de Pesos e Medidas adotada pelos Estados-membros na IX Conferência Internacional de Pesos e Medidas realizada em Paris (1949), de que o Brasil faz parte, segundo a qual se passa de milhão (1.000.000 ou 106) à casa bilhão pelo acréscimo de seis zeros (1.000.000.000.000 ou 1012), à trilhão pelo acréscimo de mais seis zeros (1018) e assim por diante. O Brasil e os Estados Unidos ainda usam o bilhão como 109 (equivalente ao mil-milhões europeu e do SI), não seguindo a seqüência estabelecida pelo Sistema Internacional.  (fonte: Dicionairo Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa).

Matérias relacionadas:

hiperinflação na Alemanha (1919-1924)
Numismática hiperinflação - Hungria
Numismática hiperinflação - Zimbábue

Autor: Marcio R. Sandoval (sterlingnumismatic@hotmail.com)