sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

NUMISMÁTICA – JULIUS MEILI V - CURAÇAO MEIA DOBRA CERCEADA

Curaçao 1815 (Meia Dobra, cerceada de D. Maria I e Pedro III)



A moeda em dois momentos distintos – Citada no artigo de Julius Meili em 1902 - nº 8 (Coleção Meili?) e após no leilão da Stack’s em 2005 (Coleção Louis Eliasberg). Clique para ampliar.

O entusiasmo de um grande numismata frente a uma magnífica moeda.
Na matéria publicada no Arqueólogo Português em outubro-novembro de 1902 (e reproduzida anteriormente), intitulada "Moedas portuguesas de ouro carimbadas ou cravejadas nas Índias Ocidentais e no Continente Americano" Julius Meili descreve a moeda de n˚8 das ilustrações que acompanham o trabalho da seguinte forma, vejamos:
"8. Meia dobra, cerceada, de D. Maria I e D.Pedro III, 1781, (Sem letra monetária), peso 12gr, 35.
Este exemplar é o que figurou na coleção de Jules Fonrobert, que vem descrito no respectivo catálogo sob o n˚ 8:808; foi castigado com seis carimbos no anverso e um no reverso. Os do anverso são: na orla, G I, L, M, H (em monograma), (B ás avessas), no centro G M (os dois últimos carimbos em círculos dentados) e mais um sinal em forma de roseta ou de trevo de quatro folhas. O do reverso, que não está mencionado no catálogo de Fonrobert, consiste numa pequena letra W dentro de um círculo. Fonrobert atribui estes carimbos á autoridade portuguesa que em 1823 continuava a sustentar-se na cidade da Bahia (Brasil); creio, porém, que não se pode produzir nenhum motivo que fale em favor de semelhante suposição. Parece-me que também devemos procurar a origem destes carimbos nas Índias Ocidentais." (in: O Arqueólogo Português. Lisboa: Museu Etnográfico Português – S.1 vol. 7, n˚ 10-11 (out.-nov. 1902), p.256).
Esta mesma moeda figurou no leilão da Coleção de Louis Eliasberg realizado pela empresa Stack’s em 2005.
Vejamos alguns detalhes da descrição desta moeda:
Data: cerca de 1815 (Curaçao)
Contramarca em 6.400 réis do Brasil de 1781
Catalogação: Fr-2, Gordon-14c e KM-20
Estado de Conservação: Detalhes EF (Extremely Fine) ou S (Soberba).
Peso: 12.34 gr
Dimensões: 28.70 mm
Descrição: No anverso: As letras GI em um quadrado na parte superior, B invertido em um círculo radiante do lado direito, MH à direita da data, L em um círculo do lado esquerdo, no centro direito, o monograma CM em um círculo radiante, a esquerda deste, sobre Maria temos um sinal em forma de trevo. No reverso: W em um círculo do lado esquerdo. Todas estas marcas sobre a moeda de origem (Brasil Fr-107, do Rio de janeiro). Ouro amarelo brilhante, traços de brilho e algumas linhas finas fracas. A marca circular minúscula na base do reverso é presumivelmente uma marca contemporânea da broca de teste, todas as marcas foram feitas vigorosamente, embora, o W no reverso demonstre aspereza.
Uma raridade extraordinária entre as moedas de ouro introduzidas na circulação nas Caraíbas. Segundo Pridmore estas marcas são as indicações individuais dos membros do comitê que examinava as moedas.
A coleção de Garrett incluiu um exemplar sobre uma moeda de 1776 do Rio de Janeiro (é a KM-19) De acordo com Gordon, somente três únicas moedas deste tipo são conhecidas em Curaçao, fazendo desta a mais significativa e indescritível das Índias Ocidentais. É a única moeda genuína conhecida com todos os 6 selos (a outra tem somente 5), e esteve fora do mercado desde sua aparecimento em 1927 na venda de Peltzer. É a estrela da seção das Índias Ocidentais desta coleção. Preço sugerido: ($20.000-35.000). Esta peça foi descrita por Frank Duffiedl em abril de 1921 no The Numismatist de duas fontes diferentes, uma parece ser o Catálogo de Fonrobert, quanto ao outro é desconhecido a nós. Nenhum é mencionado. A partir de Adolph Weyl’s, venda da coleção de Fonrobert, 1878, Lote 8808; Glendining’s venda da coleção de Richard F. Peltzer, junho de 1927, Lote 655; a coleção de Jonhn H. Clapp; propriedade de Clapp a Louis E. Eliasberg, 1942. Classificado em Pridmore, p.250 ("duas moedas foram identificadas"); Classificado no Catálogo de Moedas de Ouro de Krause-Mishler, p. 808 ("única").

Ilustração do Catálogo Krause para a Ilha de Curaçao (KM20) e a menção "unique" e a outra moeda (KM19), também com as seis contramarcas, mas com a base ilegítima. Clique para ampliar.
Textos e imagens originais (clique para visualizar):
- Standart Catalog of World Coins, 19 th Century, 1801-1900, third edition, 2001, p.907.

Marcio R. Sandoval (sterlingnumismatic@hotmail.com)