terça-feira, 24 de julho de 2012

O TELEFONE



Fig. 1 - Telefone de Bell - 1876

Telefone – Em fevereiro de 1876, Alexander Graham Bell[1], engenheiro e professor em uma escola de surdos-mudos de Boston, depositou a patente de sua invenção, o telefone. Duas horas depois, Elisha Grey, um americano, também depositou uma patente de um aparelho semelhante. Em julho de 1877, um terceiro, outro americano, Thomas Alva Edison, depositou sua patente. A questão foi submetida à justiça que afinal deu ganho de causa a Bell.
Para ele o sucesso comercial veio naquele mesmo ano de 1876 no estande de demonstração que ocupou na Exposição Internacional de Filadélfia, onde de início, o público permaneceu indiferente, até a passagem de um barbudo que, fazendo um ensaio, exclamou: “Mas isto fala!”. Ele estava mais ou menos incógnito, tratava-se de D. Pedro II, Imperador do Brasil. Depois da primeira apresentação pública, numa distância de 10 quilômetros, surgiu a oportunidade de lançar ações na bolsa...[2]


[1] Nasceu em 1847 em Edimburgo na Escócia e faleceu em Beinn Bhreagh, na Província da Nova Escócia no Canadá.
[2] Trata-se de uma tradução e adaptação do verbete “Téléphone” da obra “Depuis Quand? Les origines des choses de la vie quotidienne” de Pierre Germa, Berger-Levrault, 1979 (para a edição original em francês) e Libre Expression, Montréal, 1981. O texto original afirma que Bell era americano.




Fig. 2 – D. Pedro II e Alexander Graham Bell



Fig. 3 – Medalha da Exposição Internacional de Filadélfia que comemorou os 100 anos da independência.




Fig. 4 – Abertura da Exposição Internacional de Filadélfia – 1876. O Presidente 
Grant abre a exposição tendo ao lado D. Pedro II.





Fig. 5 – Certificado de Ações da American Telephone and Telegraph Company de 1971, no medalhão temos Alexander Graham Bell.

Autor: Marcio R. Sandoval (sterlingnumismatic@hotmail.com)