quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O MEIO CIRCULANTE NA MUDANÇA DA UNIDADE MONETÁRIA

O Meio Circulante na Mudança da Unidade Monetária
(do Mil-réis para o Cruzeiro em 1942)


Fig. 1 – Detalhe do reverso do bilhete de 200$000 réis (1923- 1955), do Banco do Brasil “Vista do Pão de Açucar” no Rio de Janeiro.
  
                        Com a instituição do Cruzeiro como unidade monetária nacional através do Decreto-lei nº 4.791 de 5 de outubro de 1942, o antigo numerário permaneceu em circulação por mais de uma década convivendo com as cédulas do novo padrão. Este assunto é freqüentemente motivo de discussões entre os numismatas. Afinal, quais e quantos eram os tipos de cédulas em circulação do antigo padrão, o Mil-réis, na ocasião do advento da nova unidade monetária, o Cruzeiro, em 1942?
                        Em pesquisa sobre a matéria encontramos subsídios no excelente livro de F. dos Santos Trigueiros, Dinheiro no Brasil, editada pela primeira vez em 1966, em comemoração ao primeiro aniversário do então Banco Central da República do Brasil (atual Banco Central do Brasil), vejamos os seus apontamentos:

“Quando a nova unidade surgiu, tínhamos em circulação cinqüenta e seis tipos de notas, sendo 35 do Tesouro Nacional, 14 do Banco do Brasil e 7 da extinta Caixa de Estabilização. A quantidade de cédulas atingia o número de 103.796.780 unidades, representando os valores seguintes:
4.941.583.910$000 em notas do Tesouro Nacional
     12.430.280$000 em notas da Caixa de Estabilização
   231.117.320$000 em notas do Banco do Brasil” (in, Dinheiro no Brasil, F. dos Santos Trigueiros, Ed. Reper, 1966, p. 131)

                        Através destes dados recorremos a catálogos e outras publicações para verificarmos quais os tipos de cédulas estavam em circulação naquela época e que continuaram por algum tempo convivendo com as cédulas do novo padrão monetário.
                        As 35 cédulas do Tesouro Nacional, as 7 cédulas da antiga Caixa de Estabilização e as 14 cédulas do Banco do Brasil mencionadas por Trigueiros são respectivamente:

Tesouro Nacional  (cédulas por ordem de emissão e de  valor)

 1.                     20$000 réis (1911 - 1950) - 13ª estampa - ABNCo. (R116; P.45) [1]
  3.                       5$000 réis (1913 - 1950) - 14ª estampa - ABNCo.(R095; P.24)
  4.                     50$000 réis (1915 - 1950) - 13ª estampa - CPM (R126; P.55)
  5.                     50$000 réis (1916 - 1950) - 14ª estampa - ABNCo. (R127;P.56)
  6.                   200$000 réis (1916 - 1950) - 13ª estampa - CPM (R149; P.78)
  7.                       1$000 réis (1918 - 1950) -   9ª estampa – ABNCo. (R076; P.5)
  8.                       2$000 réis (1918 - 1950) - 11ª estampa - ABNCo. (R084; P.13)
  9.                     10$000 réis (1918 - 1950) - 14ª estampa - ABNCO. (R107;P.36)
12.                       1$000 réis (1919 - 1950) - 10ª estampa – ABNCo.(R077; P.6)
13.                       2$000 réis (1919 - 1950) - 12ª estampa - ABNCo.(R085; P.14)
14.                    20$000 réis (1919 - 1950) - 14ª estampa - ABNCo. (R117;P.46)
16.                       1$000 réis (1920 - 1950) - 11ª estampa - CMB (R78; P.7)
17.                       2$000 réis (1920 - 1950) - 13ª estampa - CMB (R086; P.15)
18.                       1$000 réis (1921 - 1950) - 12ª estampa - CMB (R079; P.8)
19.                       2$000 réis (1921 - 1950) - 14ª estampa - CMB (R087; P.16)
20.                1:000$000 réis (1921 - 1950) -   1ª estampa - CMB (R164; P.93)
21.                       1$000 réis (1923 - 1950) - 13ª estampa - CMB (R080; P.9)
22.                       2$000 réis (1923 - 1950) - 15ª estampa - CMB (R088; P.17)
23.                     50$000 réis (1923 - 1949) - 15ª estampa - CMB (R128; P.57)
24.                       5$000 réis  (1924 - 1955) - 19ª estampa - ABNCo.(R100; P.29)
25.                     10$000 réis (1924 - 1949) - 16ª estampa - CMB (R109; P.38)
33.                    50$000 réis (1936 - 1952) - 17ª estampa - W&S  (R130;P.59)
34.                   100$000 réis (1936 - 1952) - 17ª estampa - W&S (R142; P.71)
35.                   200$000 réis (1936 - 1952) - 17ª estampa - W&S (R130; P.59)

(Clique para ver as imagens)


[1] Após a indicação do valor temos: o período de circulação, a estampa seguida das iniciais das empresas impressoras (ABNCo. - American Bank Note Company; CMB - Casa da Moeda do Brasil; CPM - Cartiere P. Milani e W&S - Walterlow & Sons limited), o número da cédula atribuído pelos catálogos brasileiros e internacional (não foram indicadas as variações nas estampas). 



Fig. 2 – Anverso da cédula de 500$000 réis (1911-1949) do Tesouro Nacional, da 10ª Estampa, impressas pela ABNCo.
              





Fig. 3 – Anverso da cédula de 500$000 réis (1925-1950) do Tesouro Nacional da 14ª Estampa - ABNCo.

Caixa de Estabilização

1.                       10$000 réis (1927 - 1951) - 1ª estampa - ABNCo. (R184; P.103)
2.                       20$000 réis (1927 - 1951) - 1ª estampa - ABNCo. (R185; P.104)
3.                       50$000 réis (1927 - 1951) - 1ª estampa - ABNCo. (R86; P.105)
4.                     100$000 réis (1927 - 1951) - 1ª estampa -ABNCo. (R187; P.106)
5.                     200$000 réis (1927 - 1951) - 1ª estampa -ABNCo. (R188; P.107)


Banco do Brasil

 1.                         1$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa - ABNCo. (R193,P.110B)
 2.                         2$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa - ABNCo. (R194;P.111)
 3.                         5$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa - ABNCo. (R195; P.112)
 4.                       10$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa - ABNCo. (R196; P.114)
 5.                      20$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa - ABNCo. (R197;P.116)
 6.                       50$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa - ABNCo. (R198; P.118)
 7.                     100$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa -ABNCo. (R199; P.120)
 8.                     200$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa -ABNCo. (R200; P.121)
 9.                     500$000 réis (1923 - 1955) - 1ª estampa -ABNCo. (R201; P.122)
11                        5$000 réis (1930 - 1955) - 2ª estampa- ABNCo. (R203; P.113 )


                        Além dos 56 tipos de notas mencionadas por Trigueiros temos ainda as cédulas da Caixa de Estabilização, aproveitas do Tesouro Nacional, com superimpressão onde se lê: “A CAIXA DE ESTABILIZAÇÃO pagará ao portador, à vista, no Rio de Janeiro, em ouro, conforme a Lei nº 5108, de 18 de dezembro de 1926, a quantia de (...) VALOR RECEBIDO EM OURO”.
                        Estas cédulas foram desmonetizadas apenas em 1951, juntamente com as cédulas próprias da Caixa de Estabilização acima mencionadas e provavelmente não foram incluídas nas 56 estampas mencionadas por Trigueiros por terem sido aproveitadas das cédulas do Tesouro Nacional, sendo da mesma estampa daquelas.
                        A Caixa de Estabilização não logrou êxito e em 1930 encerrou suas atividades, sendo que o Banco do Brasil ficou responsável pelo recolhimento das cédulas que foram trocadas com ágio até 1951, portanto, ainda em curso na época da reforma do padrão monetário, em 1942.


Fig.4 – Anverso da cédula de 50$000 réis (192 -1951)da Caixa de Estabilização, da 1ª Estampa - ABNCo.



Fig. 5 – Anverso da cédula de 1.000$000 réis (1923-1955) do Banco do Brasil, da 1ª Estampa – ABNCo.


                        Apesar da opinião abalizada de Trigueiros acreditamos que estas cédulas podem ser somadas aos 56 tipos existente, seriam, assim, 62 tipos, eis que apesar de serem da mesma estampa das do Tesouro Nacional e apresentarem os mesmos valores, foram emitidas por órgãos diversos e apresentam superimpressão, que as tornam tipos diferentes. Tanto isto é verdade que apresentam numeração diferenciada nos catálogos de cédulas, vejamos:

Caixa de Estabilização  (com superimpressão)


1.                       10$000 (1926 - 1951) - 17ª estampa - ABNCo. (R178; P.109A)
2.                       20$000 (1926 - 1951) - 16ª estampa - ABNCo. (R179; P.109B)
3.                       50$000 (1926 - 1951) - 16ª estampa - ABNCo. (R180; P.109C)
4.                     100$000 (1926 - 1951) - 16ª estampa – ABNCo. (R181; P.109D)
5.                     200$000 (1926 - 1951) - 16ª estampa - ABNCo. (R182; P.109E)
6.                     500$000 (1926 - 1951) - 14ª estampa - ABNCo. (R183; P.109F)


Fig. 6 – Anverso da cédula de 20$000 réis (1926-1951) da 16ª Estampa – ABNCo, com superimpressão da Caixa de Estabilização.


                        Assim, com o advento do Cruzeiro em 1942, o nosso meio circulante era composto de 62 tipos de cédulas e a partir do mesmo ano foram incluídas ainda as cédulas com superimpressão aproveitadas do Tesouro Nacional (hoje de grande interesse numismático) e a partir de 1943 as cédulas do novo padrão, que serão objetivo de outras anotações.


                        As cédulas do padrão mil réis perderam totalmente o valor apenas em 6 de setembro de 1955, convivendo um bom tempo com as cédulas do novo padrão e sendo com elas compatíveis, eis que, passaram a valer na razão de 1$000 para Cr$ 1,00.


Referências Bibliográficas

- Catálogo do papel-moeda do Brasil 1771-1986, emissões oficiais, bancárias e regionais. Violo Idolo Lissa, Brasília, Editora Gráfica Brasiliense, 3ª edição, 1987.
- Catálogo Vieira – Cédulas Brasileiras. Numismática Vieira, Rio de Janeiro, 1ª edição, 1991.
- Cédulas do Brasil 1833 a 1997. Claudio Patrick Amato, Irlei Soares das Neves, Julio Ernesto Schütz, 1ª edição, 1997.
- Cédulas do Brasil 1833 a 2011. Claudio Patrick Amato, Irlei Soares das Neves, Julio Ernesto Schütz, 5ª edição, 2011.
- Cédulas Brasileiras da República, emissões do Tesouro Nacional. Banco do Brasil S.A, Museu e Arquivo Histórico, Rio de Janeiro, 1965.
- Dinheiro no Brasil. F. dos Santos Trigueiros, Ed. Reper, 1966.
- Iconografia do Meio Circulante, Banco Central do Brasil. 1972.
- Os Bancos Centrais. Augusto F.R. Magalhães, Rio de Janeiro, A Casa do Livro, 1971.



Autoria: Marcio R. Sandoval. Publicado originalmente no Boletim da Associação Filatélica e Numismática de Santa Catarina (AFSC) n° 46, setembro de 1999, p.17-22.