quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

A REVELAÇÃO DA SEDA AO OCIDENTE



Fig. 1 – Anverso da cédula de 1 Chiao (P. J101A), cerca de 1940, do Meng Chiang Bank, emitida durante a ocupação japonesa na região chinesa da Mongólia interior. No centro temos um camelo bactriano (Camellus bactrianus) geralmente associado à Rota da Seda.


Texto de introdução do livro de Luce Boulnois, La Route de la Soie (A Rota da Seda), Editions Olizane, Genève, 1992, p. 15-21. (tradução e interpretação nossa).


No início do verão do ano 700 após a fundação de Roma – para nós em 53 a.C – Marcus Licinius Crassus[1], cônsul triúnviro de Roma e governador da Síria, cometeu a imprudência de levar sete legiões longe para o leste, além do Eufrates, na busca de um inimigo astuto e esquivo.
Longos dias de incerteza na espera de uma batalha que nunca vinha, tinham enfraquecido a coragem dos soldados. Desde a partida da Síria, preocupava-se de uma longa série de maus presságios: a queda de Crassus e seu filho na saída do templo de Heliópolis, o cavalo morto Marcus Licinius, que disparou e se afogou no Eufrates... Tão longe de suas bases, nesta atmosfera de dúvida e de agonia, os soldados supersticiosos não podiam esquecer que em Roma mesmo, havia-se proferido contra Crassus, em plena rua, maldições antigas e secretas; e quem sabe do poder das maldições?
Quanto aos quadros do exército, eles sabiam que essa guerra, impopular a Roma, era uma loucura; eles sentiam bem que ela tinha apenas por objetivo a glória pessoal de seu generalíssimo, enciumado dos outros dois triúnviros, César e Pompeu.  
A moral estava baixa, a ofensiva foi terrível. Os guerreiros partos[2] desgrenhados, lançando o seu clamor inumano, no barulho ensurdecedor dos seus grandes tamborins de couro cheios de sinetas, se lançaram precedidos de uma chuva de flechas, para envolver a formação romana. O choque foi brutal. Os romanos, com as mãos pregadas em seus escudos pelas setas, confusos, atordoados, tentaram, no entanto, várias vezes, chegar ao corpo a corpo – sua salvaguarda –, mais os partos se mantiveram próximos o bastante para atirar e longe o suficiente para evitar o confronto.
Os partos tinham atrás de si uma tropa de camelos carregados de flechas, de forma que não se poderia nem mesmo contar com o esgotamento de sua munição. Suas longas flechas atravessavam tudo, assim bem os escudos “duros” que os estofos “moles” e até dois homens por vez. Eles ainda conseguiram, graças à habilidade de seus flecheiros, a romper a formação em “tartaruga” dos romanos, ceifando as pernas dos soldados e dos cavalos e atravessando o muro de escudos.
Os romanos mantiveram-se por um bom tempo. Mas quando, ao meio-dia, os partos, desfraldando suas bandeiras cintilantes, o brilho foi tal que somando ao esgotamento, a sede, ao medo, atingindo afinal o célebre valor das legiões romanas. Foi uma debandada.
Algumas horas mais tarde, a campanha termina com a morte de Crassus, atraído pelo inimigo em uma emboscada; a de seu filho, que foi morto para não cair vivo nas mãos dos partos; a dos vinte mil soldados romanos e a captura dez mil outros. Assim terminou a batalha de Carras, uma das mais desastrosas que Roma participou.
A cabeça de Crassus foi enviada ao rei dos partos, Orodes, que se encontrava na Armênia; e mais tarde os prisioneiros romanos foram levados para a Antioquia da Margiana, uma cidade fundada por Alexandre, o Grande – e nunca mais foram vistos. Assim, Crassus tinha o sonho do macedônio; mas em vez de entrar neste país como conquistadores, os seus soldados tinham entrado como prisioneiros. Assim, as águias romanas foram tão longe apenas para guarnecer os templos dos partos.
Quanto às bandeiras bordadas em ouro e de cores vivas, que haviam cegado os legionários durante esta infeliz batalha, elas foram, se acreditarmos em certos autores, as primeiras sedas que os romanos viram. 
Ora a seda, o mais cintilante de todos os tecidos conhecidos até então, não iria tardar em tornar-se familiar ao mundo romano.
Foi por pilhagem ou em campanhas mais bem sucedidas ou foi através de tráfego? Menos de dez anos depois da derrota em Carras, quando César comemorou seu triunfo em Roma, no luxo oferecido nesta ocasião para a contemplação do povo romano, a multidão foi surpreendida com tecidos espetaculares de seda: esta é, pelo menos, a história que Dion Cassius nos deixou, escritas várias gerações após o evento. É possível que esta tenha sido a primeira vez que eles viram a seda.
Os anos passam, pegou-se gosto: tanto que no ano 14, poucos meses depois da morte de Augusto, por um ato do Senado, proibiu-se aos homens o uso da seda, que “desonrava” e limitava às mulheres o seu uso deste tecido. Não foram necessários nem 50 anos para que este produto exótico entrasse na moda de maneira abusiva.  
Na ignorância de sua natureza, era chamado de: tecido sérico, ou véu sérico (sericum), do nome do povo que habitava seu país de origem e que denominavam, a partir de uma palavra grega: Os Seres. Eles o chamavam de tecido sérico como entenderam, já que não se podia atribuir aos partos, estas bestas de guerra, a feitura deste maravilhoso tecido quente e leve, suave e fresco, macio e fino, cintilante, que se prestava tão bem aos bordados, aos ornamentos; não eram também os gregos, que lhe deram o nome estrangeiro de sérico: e não foi por coincidência que ele apareceu em Roma depois da conquista da Síria.
Os Romanos haviam sido isolados por um longo tempo das costas orientais do Mediterrâneo pela triple barreira dos partos inimigos, dos reis gregos do Mar Negro, hostis, e dos piratas, assim numerosos e virulentos que havia sido necessário empreender contra eles um importante campanha. Em torno de 70 a.C., após sua implantação na Síria, se encontravam agora verdadeiramente em contato com o extremo limite de um mundo que eles ignoravam: O Oriente.
É por volta deste tempo que eles descobrem este novo tecido e aprenderam que ele era fabricado por um povo longínquo chamado Os Seres: noção nova para todos na época, eis que o primeiro escritor a mencioná-los, um grego, havia morrido uns trinta anos antes da batalha de Carras. Este autor não deu nenhum detalhe: ele disse apenas que os Seres viviam em alguma parte no limite oriental dos territórios anteriormente conquistados por Alexandre, em um destes países onde nenhuma pessoa jamais esteve. Em poucas palavras, este material vinha do fim do mundo.
Como, a partir do fim do mundo? Como ele tinha vindo até os olhos dos legionários de Crassus? Como servia ele agora, em seus mantos púrpuras e coroas douradas, para aumentar o brilho das grandes solenidades romanas? 



Fig. 2 – Detalhe da viagem no deserto da caravana de Marco Pólo constante no Atlas Catalão (cerca de 1375 d.C). Biblioteca Nacionalda França – BnF 

A origem legendária da seda – Conta-se que quando a princesa Xi Ling Shi encontrava-se nos jardins imperiais deixou cair acidentalmente um casulo que estava pendurado a uma amoreira dentro de uma xícara de chá em ebulição. Daquele casulo se desenrolou um fio que parecia interminável e que lhe parecendo belo, resolveu tecê-lo e fabricou um tecido macio e fino de grande qualidade.
Assim, ela obteve do Imperador a autorização para criar as larvas que comiam as folhas da amoreira. Este soberano era Houang Ti, que a legenda atribui igualmente a invenção da escrita chinesa. Desde o início a seda estava ligada ao Imperador e não servia apenas para tecer vestimentas suntuosas, mas também para traçar ideogramas. Os primeiros exemplo de escritura chinesa na seda datam de cerca de 750 a.C. A China, ela mesma, era conhecida desde a Antiguidade como o país dos Seres, que dizer da seda.
Sericultura – É o beneficiamento e a industrialização da seda que remonta ao neolítico chinês (em torno do terceiro milênio a.C.).
A seda na Europa – Foi em uma sepultura principesca do Bade-Wurtemberg na Alemanha, datada do século VI a.C., que se encontrou a mais antiga prova da presença da seda na Europa.
Ela também foi encontrada na tumba de Felipe II da Macedônia, pai de Alexandre, o Grande (cerca de 382 a.C – 336 a.C)
A descoberta da seda pelos romanos – Diz a legenda que teria ocorrido no curso da Batalha de Carras (cerca de 53 a.C), contra o Império Parta ou Arsácida. Os estandartes brilhantes e farfalhantes do inimigo eram feitos de um tecido desconhecido. Não demorou muito para que os patrícios romanos passassem a querer se vestir daquele tecido nobre e fino que podia passar através de um anel.
Curiosidade – Da Batalha de Carras vem a expressão: “erro crasso”, eis que o Cônsul Marcus Licinius Crassus cometeu uma série de erros grosseiros naquela batalha que o conduziram a morte. Eram cerca de 39.000 romanos contra 7.000 partos; 24.000 romanos foram mortos e 10.000 foram feitos prisioneiros.
Camelos – Existem duas espécies de camelos, o dromedário (Camellus dromedarius), que possui uma corcova e o camelo bactriano (Camellus bactrianus) que possui duas. Nas cédulas reproduzidas o que aparece é o camelo bactriano. 



Fig. 3 – Detalhe da cédula de 100 Yuan (P.J112a), cerca de 1938, do Meng Chiang Bank, emitida durante a ocupação japonesa na região chinesa da Mongólia interior. Na imagem temos, novamente, um camelo bactriano (Camellus bactrianus) geralmente associado à Rota da Seda.

Fontes :

- BOULNOIS, Luce. La Route de la Soie. , Genève : Éditions Olizane, 1992.
- HUYGHE, Édith et François-Bernard. Histoire des Secrets – de la guerre du feu à l`internet. Malakoff : Editions Hazan, 2000.
- Standard Catalog of World Paper Money, General Issues, 1368-1960. Albert Pick - Edited by George S. Cujay. USA: Krause Publications, 12 th edition, 2008.


Autor: Marcio R. Sandoval (sterlingnumismatic@hotmail.com)




[1] Marco Licínio Crasso, c. 115 a.C. – 53 a.C.
[2] Império Parta (247 a.C – 224 d.C) ou Império Arsácida.