segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

CÉDULAS IMPRESSAS PELA CASA DA MOEDA DO BRASIL PARA O HAITI EM 2013

 

Fig.1 – Cédula de 20 gourdes[1] (P.271A (X3[2]) do Haiti, impressa pela Casa da Moeda do Brasil em 2012/13 e emitida posteriormente pelo Banco da República do Haiti[3]. No anverso temos a efígie de Toussaint Louverture, herói nacional e um dos precursores da independência. No reverso temos a Constituição de 1801 (Constituição de São Domingos) proclamada por Toussaint Louverture em 3 de julho de 1801, enquanto Governador de São Domingos e que é considerada a primeira Constituição da Republica do Haiti.

                        Em 2012/13 a Casa da Moeda do Brasil (CMB) imprimiu, a título de doação, cédulas de 20 gourdes para o Haiti, por causa do terremoto que atingiu aquele país em 2010. Foram impressas 47.408.000 (quarenta e sete milhões quatrocentos e oito mil) cédulas em 5 séries (séries A, B, C, D e E).
                        A Casa da Moeda do Brasil empregou as seguintes séries contendo letras e numerações nas cédulas de 20 gourdes impressas para o Haiti[4]. Vejamos:

A 000.000.001 - A 010.000.000
       10.000.000
B 000.000.001 - B 010.000.000
       10.000.000
C 000.000.001 - C 010.000.000
       10.000.000
D 000.000.001 - D 010.000.000
       10.000.000
E 000.000.001 - E 007.408.000
         7.408.000

T = 47.408.000

Fonte: Departamento de Cédulas – DECED da Casa da Moeda do Brasil (CMB).

                        A cédula de 20 gourdes do Haiti é comemorativa do Bicentenário da Constituição de 1801 (Constituição de São Domingos), proclamada por Toussaint Louverture em 3 de julho de 1801, enquanto Governador de São Domingos e que é considerada a primeira Constituição da República do Haiti. Consta no campo inferior direito das cédulas a data de 2001, esta referente ao bicentenário (1801-2001) e não a data de emissão da cédula.
                        A efígie que aparece no anverso é do herói nacional Toussaint Louverture (c.1743-1803). Ele foi chefe da Revolução Haitiana (1791-1802) e se tornou uma das grandes figuras do movimento anticolonialista, abolicionista e de emancipação dos negros nas Antilhas. Foi capturado pelos franceses em 1802 e um ano após veio a falecer no cárcere, entre outros, por causa do rigoroso clima de Doubs na França. A independência do Haiti foi proclamada logo em seguida, em 1° de janeiro de 1804 pelo seu antigo tenente Jean-Jacques Dessalines.
                        Em agosto de 2009[5] o valor aproximado de 20 gourdes (ou 20 HTG) em relação ao dólar era de US$ 0,50. Em fevereiro de 2017, 20 gourdes valem cerca de US$ 0,29. Portanto, são cédulas de pequeno valor. Considerando a situação do país, que sofreu um terremoto em 2010 e um tufão em 2016 e ainda o seu fraco desenvolvimento econômico[6], estas cédulas devem estar cumprindo seu papel.
                        Não obstante o seu fraco poder liberatório, a cédula de 20 gourdes possui um bom número de elementos de segurança, entre eles podemos citar: imagem latente, marca d água, faixa holográfica, fibras luminescentes, impressão em alto-relevo...
                        As primeiras cédulas desta estampa foram impressas pela Giesecke & Devrient (G&D)[7] de Munique, tradicional impressor de cédulas e outros documentos de segurança.
                        Vejamos todas as variantes que conhecemos desta cédula[8].





  1. P.271 – 20 gourdes: Esta cédula apresenta no anverso à direita sobre a marca d água a seguinte inscrição: “Cédula Comemorativa do Bicentenário da Constituição de T. Louverture.”. Foram impressas por Giesecke & Devrient (G&D) de Munique, Alemanha. Apresenta numeração dupla na cor vermelha composta de duas letras, TL (iniciais de Toussaint Louverture) seguida de 6 dígitos. A impressão foi limitada a TL 000 0001 a 500.000. Possível data de emissão – 2009 (sem confirmação oficial). Dimensões: 162 X 70 mm.

  1. P.271A – 20 gourdes. Aqui vamos agrupar 3 variantes não catalogadas. Como características comuns podemos citar a ausência da inscrição no anverso sobre a marca d água (acima da data).
  



P.271A (X1) – Numeração dupla, uma letra seguida de 6 dígitos. Não apresenta a inscrição sobre a marca d água no anverso. O exemplar acima nos sugere (não temos a confirmação) que se trata de um specimen da Giesecke & Devrient (G&D), eis que a numeração à esquerda no anverso (Specimen n° 0477) é característica desta casa impressora. Encontramos diversas letras, como: A, E, J, W, S..., sempre seguidas de 6 dígitos (que sugere no máximo 999.999 cédulas por série) . Possível data de emissão – 2009 (sem confirmação oficial).





P.271A (X2) – Numeração dupla, duas letras seguida de 6 dígitos. Não apresenta a inscrição sobre a marca d água no anverso. Apresentam as letras AS seguidas de 6 dígitos. Impressão: É provável que neste caso também a impressão tenha sido realizada pela Giesecke & Devrient (G&D), mas não conseguimos confirmar até o momento. Possível data de emissão – 2013 (sem confirmação oficial).




P.271A (X3) – Numeração única, uma letra seguida de 9 dígitos. Não apresenta a inscrição sobre a marca d água no anverso. Estas cédulas foram impressas pela Casa da Moeda do Brasil (CMB) a título de doação por causa do terremoto de 2010. Foram impressas em 2012/2013, com as características gerais das primeiras emissões. Apresentam as seguintes letras: A, B, C, D e E, seguida de 9 dígitos, quer dizer, cada série apresenta 10.000.000 (dez milhões de cédulas), sendo que a ultima série contem 7.408.000 (sete milhões quatrocentas e oito mil) cédulas. Dimensões: 163 X 70 mm. Possível data de emissão – 2015 (sem confirmação oficial).

Bibliografia:

AMANDRY, Michael. Dictionnaire de Numismatique. Paris : Larousse, 2006.





World Paper Money – Modern Issues – 20 th, 2014.

  


Autor: Marcio R. Sandoval



[1] A palavra gourde é uma tradução do espanhol gordo, um termo referente ao peso (o peso gordo, ou seja, a peça de oito reales - 1732 a 1771, dita piastra “colunária”). Esta moeda foi utilizada em muitos países e nas Antilhas no final do Século XVIII e início do Século XIX. O termo gourde passou a designar a unidade monetária do Haiti em 1828. Em 1825 foram cunhados pelo Círculo de Comércio de Pointe-à-Pitre de Guadalupe, jetons também em gourdes, com provável influencia do Haiti.
[2] O World Paper Money – Modern Issues – 20th, 2014, p. 465, indica a existência de apenas duas variantes desta cédula, quando na verdade existem pelo menos quatro.
[3] Foram, provavelmente, emitidas pelo Haiti a partir de 2015 (não temos confirmação oficial).
[4] Trata-se de uma numeração única (uma letra seguida de nove dígitos) na parte superior esquerda da cédula. São 10.000.000 (dez milhões de cédulas) por série, sendo que, a última série contem 7.408.000 (sete milhões quatrocentos e oito) cédulas.
[5] Data provável das primeiras emissões desta cédula, no entanto, não temos a confirmação oficial.
[6] É uma das nações mais pobres das Américas.
[7] Empresa alemã de produção de cédulas bancárias e outros documentos de segurança fundada em Leipzig, em 1852, por Hermann Giesecke (1831-1900) e Alphose Devrient (1821-1878). A denominação inicial era Instituto Tipográfico Giesecke & Devrient. Em 1890 forneceu bilhetes para vários bancos brasileiros por intermédio da firma Laemmert do Rio de Janeiro. Em Leipzig, durante a 2ª Guerra Mundial, a maior parte de suas instalações foi destruída. Em 1948 a empresa foi transferida para Munique. É fornecedor eventual de cédulas para o Brasil, quando a CMB não pode atender a demanda, como no caso da cédula de 5 reais (P.244b; C267) de 1994.
[8] Aqui relacionamos as cédulas que encontramos, diante do fato que não encontramos nenhuma outra catalogação a par o World Paper Money, que se restringe a duas variantes.